Práticas Científicas identificadas nas ações docentes em aulas de Química do Ensino Médio

Contenido principal del artículo

Resumen

Este artigo apresenta resultados de uma investigação na qual foram identificados e analisados indícios de Práticas Científicas em aulas de química, nas ações docentes. Trata-se de uma investigação predominantemente qualitativa fundamentada nos pressupostos metodológicos da análise de conteúdo. Para a recolha de dados, foram gravadas as aulas de química, de caráter expositiva e experimental, que versavam a respeito de propriedades periódicas e ligações químicas, ambas lecionadas em turmas do Ensino Médio. Mediante as análises chegamos aos seguintes resultados: identificou-se sete das oito Práticas Científicas, mencionadas no NRC (2012), sendo as três mais expressivas: PC1 – Fazer perguntas, PC3 – Planejar e realizar investigações e PC6 – Construir explicações. O reconhecimento de tais Práticas Científicas permitiu-nos traçar um perfil específico das aulas. As aulas expositivas centraram-se na explicação (PC6) do conteúdo de algumas propriedades periódicas, sendo orientadas por perguntas (PC1) que permitiram aprofundar e explicar os tópicos estudados. Na aula experimental, a ênfase das ações docentes foi na realização de investigação sistemática (PC3), permitindo que os estudantes realizassem as experiências. Também observamos nesta aula a incidência de (PC1), realizada pelo professor e dirigida a cada grupo, levando os estudantes a refletirem sobre aspectos da experiência. Salientamos que, embora tenham sido identificadas diferentes Práticas Científicas nas aulas investigadas, acreditamos que se o professor conhece previamente, e de forma mais aprofundada, cada uma das PC, poderá planejar e conduzir as suas aulas procurando diversificá-las, permitindo um ensino e uma aprendizagem de Química em que o estudante assume um papel mais ativo no processo.

Detalles del artículo



Paulo Dos Santos Nora
Fabiele Cristiane Dias Broietti
Biografía del autor/a

Paulo Dos Santos Nora, Universidade Estadual de Londrina

Doutorando no programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática da Universidade Estadual de Londrina, Paraná, Brasil. Professor de Química na Educação Básica, Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, Londrina, Paraná, Brasil.

Fabiele Cristiane Dias Broietti, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Educação para Ciência pela Universidade Estadual de Maringá, Paraná, Brasil. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática e do Departamento de Química da Universidade Estadual de Londrina, Paraná, Brasil. Áreas de investigação: A construção do conhecimento em Ciências e Formação de Professores em Ciências.

Dos Santos Nora, P., & Dias Broietti, F. C. (2022). Práticas Científicas identificadas nas ações docentes em aulas de Química do Ensino Médio. REXE- Revista De Estudios Y Experiencias En Educación, 21(46), 113–139. https://doi.org/10.21703/0718-5162.v21.n46.2022.006

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bianconi, M. L.; Caruso, F. (2005). Educação não formal. Ciência e Cultura, 57(4), 20.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto.

Brasil (2018). Ministério da Educação (MEC). Base Nacional Comum Curricular. Brasília. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf.

Brasil (2006). Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza, Matemática e suas tecnologias. Brasília: 2006. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf.

Brasil (2002). Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN (+) Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: 2002. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf.

Bybee, R. W. (1005). Achieving Scientific Literacy. The Science Teacher, 62(7), 28-33.

Deboer, G. E. (2000). Scientific Literacy: Another Look at Its Historical and Contemporary Meanings and Its Relationship to Science Education Reform. Journal of research in science teaching, 37(6), 582-601. Recuperado de http://web.nmsu.edu/~susanbro/eced440/docs/scientific_literacy_another_look.pdf.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Menezes, L. (2014). A Importância da pergunta do professor. ResearchGate, Escola Superior de Educação de Viseu. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/270050823_A_importancia_da_pergunta_do_professor/stats.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22(37), 7-32.

National Research Council (NRC) (2012). A Framework for K-12 Science Education: Practices, Crosscutting Concepts, and Core Ideas. Committee on Conceptual Framework for the New K-12 Science Education Standards. 320p. Recuperado de http://www.nap.edu/catalog/13165/a-framework-for-k-12-science-education-practices-crosscutting-concepts.

National Research Council (NRC) (2009). Learning Science in Informal Environments: People, Places and Pursuits. Committee on Learning Science in Informal Environments. Washington, D.C. 352p. Recuperado de http://www.nap.edu/catalog/12190/learning-science-in-informal-environments-people-places-and-pursuits.

National Research Council (NRC) (2007). Taking Science to School: Learning and Teaching Science in Grades K-8. Committee on Science Learning, Kindergarten Through Eighth Grade. Washington, DC: The National Academies. Recuperado de http://www.nap.edu/catalog/11625.html.

National Research Council (NRC) (1996). National Science Education Standards. Washington, DC: National Academy. 272p. Recuperado de http://www.nap.edu/catalog/4962/national-science-education-standards.

Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD) (2013). Matriz de avaliação de Ciências. Tradução do documento: PISA 2015 Draft Science Framework. Traduzido por Lenice Medeiros – Daeb/Inep. Recuperado de http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/marcos_referenciais/2015/matriz_de_ciencias_PISA_2015.pdf.

Osborne, J. (2014). Teaching Scientific Practices: Meeting the Challenge of Change. The Association for Science Teacher Education, 25, 177-196.

Scarpa, D. L. (2015). O papel da argumentação no ensino de ciências: Lições de um Workshop. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17(especial), 15-30.