Sexual Educationin the Brazilian Common National Curricular Base: an analysis through the competences of the field of Natural Sciences

Contenido principal del artículo

Resumen

The aim of this paper is to describe how the Brazilian Common National Curriculum Base (BNCC, Portuguese acronym) approaches the issue of sexual education in the area of natural sciences. To this end, the methodology used is a document analysis consisting of the investigation of versions of the BNCC and official documents related to Brazilian education. Considering the importance that the curriculum represents for society, there is a need for debate on a national document that fulfils the role of guiding the basic knowledge which is essential for children and teenagers’ learning. This article focuses, particularly, on political issues of curricula framework that are embodied in the designing of BNCC through a qualitative method and through documentary sources. As a basic result, there were few competences that addressed sexuality in Brazilian BNCC, yet in a reductionist way, limiting sexuality to aspects of human anatomy and physiology.

Detalles del artículo



Raphael Alves Feitosa
Jaírla Aires Praciano
Milena Aires de Avila
Biografía del autor/a

Raphael Alves Feitosa, Universidade Federal do Ceará

Doctor en Educación, profesor del Departamento de Biología de la Universidade Federal de Ceará (UFC). Profesor de los programas de posgrado en Enseñanza de Ciencias y Matemáticas de la Universidade Federal de Ceará (ENCIMA UFC) y del Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (PGECM IFCE). Miembro del Grupo de Estudios e Investigación en Enseñanza de las Ciencias (GEPENCI). Áreas de investigación: Formación del profesorado, currículo y didáctica de las ciencias.

Jaírla Aires Praciano, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE

Máster en Enseñanza de las Ciencias y las Matemáticas por el Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (PGECM-IFCE). Docente de educación básica, por el municipio de Cascavel, Ceará, Brasil.

Milena Aires de Avila, Universidade Federal do Ceará

Máster en  Educación por el Universidade Estadual do Ceará (PPGE-UECE). Miembro del Grupo de Investigación Ontología del Ser Social, Historia, Educación y Emancipación Humana (GPOSSHE).

Feitosa, R. A., Praciano, J. . A., & Avila, M. A. de. (2022). Sexual Educationin the Brazilian Common National Curricular Base: an analysis through the competences of the field of Natural Sciences. REXE- Revista De Estudios Y Experiencias En Educación, 21(46), 346–362. https://doi.org/10.21703/0718-5162.v21.n46.2022.019

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Aguiar, M. A., & Dourado, L. F. (Eds.). (2018). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. ANPAE, Goiânia.

Altmann, H. (2001). Orientação sexual nos parâmetros curriculares nacionais. Revista Estudos Feministas, 9(2), 575-585. doi: 10.1590/S0104-026X2001000200014

Arroyo, M. G. (2007). Indagações sobre currículo - educandos e educadores: seus direitos e o currículo. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Barbosa, L. U., Viçosa, C. S. C. L., & Folmer, V. (2019). A educação sexual nos docu mentos das políticas de educação e suas ressignificações. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(10), e772. doi: 10.25248/reas.e772.2019

Bay-Cheng, L. Y. (2003). The Trouble of Teen Sex: The Construction of Adolescent Sexuality through School-Based Sexuality Education. Sex Education, 3(1), 61-74. doi: 10.1080/1468181032000052162

Bissoli, A. P. T. (2018). Hábitos motores, processos abdutivos incorporados e identidade pessoal: um estudo filosófico-interdisciplinar. Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista. Retrieved from http://hdl.handle.net/11449/157069

Brandao, E. R., & Lopes, R. F. F. (2018). “Não é competência do professor ser sexólogo” O debate público sobre gênero e sexualidade no Plano Nacional de Educação. Civitas, Revista de Ciências Sociais, 18(1), 100-123. doi: 10.15448/1984-7289.2018.1.28265

Brasil. (1996). Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. (1998). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Apresentação dos temas transversais: Orientação sexual. 1998. Retrieved from http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro102.pdf

Brasil. (1998). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. 1998. Retrieved from http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pdf

Brasil. (2001). Lei Nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Edu cação . Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm

Brasil. (2014). Lei N° 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação. Retrieved from http://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014

Brasil. (2016). Emenda Constitucional Nº 95, de 15 de Dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/-emc95.htm

Brasil. (2016). Proposta de Emenda à Constituição n° 55, de 2016. PEC do Teto dos Gastos Públicos. Retrieved from https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/127337

Brasil. (2017). Decreto de Lei Nº 13.415, de 16 fevereiro de 2017. Alteração da Leis Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm

Brasil. (2019). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. 2019. Retrieved from http://basenacionalcomum.mec.gov.br

Carvalho, F. A. (2009). Que saberes sobre sexualidade são esses que (não) dizemos dentro da escola? In M. N. D. Figueiró (Ed.), Educação Sexual: em busca de mudanças (pp. 1-16). Universidade Estadual de Londrina.

Cruz, E. P., Souza, E., Silva, S. C. J., Hora, N. N., & Neves, P. A. P. F. G. (2016). Diálogos sobre sexualidade no ensino fundamental: construindo conceitos e tirando dúvidas de alunos do 8º ano de uma escola municipal em Santarém, Pará, Brasil. Scientia Plena, 12(6), 1-11. doi: 10.14808/sci.plena.2016.069910

Dinis, N. F. (2011). Homofobia e educação: quando a omissão também é signo de violência. Educar em Revista, 39(1), 39-50. doi: 10.1590/S0104-40602011000100004

Donovan, P. (1998). School-Based Sexuality Education: The Issues and Challenges. Family Planning Perspectives, 30(4), 188–193. Retrieved from www.jstor.org/stable/2991682.

Escola Sem Partido. (2019). Por uma lei contra o abuso da liberdade de ensinar. Retrieved from https://www.programaescolasempartido.org

Executiva. (2018). Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, 07 de maio de 2018. Carta enviada ao presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE): apresentação de sugestões para o BNCC do Ensino Médio. Retrieved from http://sbpcacervodigital.org.br/handle/20.500.11832/2844

Farrelly, C., O'Brien, M., & Prain, V. (2007). The discourses of sexuality in curriculum documents on sexuality education: an Australian case study. Sex Education, 7(1), 63-80. doi: 10.1080/14681810601134801

Figueiró, M. N. D. (1996). A produção teórica no Brasil sobre educação sexual. Cadernos Pesquisa, 98(1), 50-63. doi: 10.1590/198053145084

Furlanetto, M. F., Lauermann, F., Costa, C. B., & Marin, A. H. (2018). Educação sexual em escolas brasileiras: revisão sistemática da literatura. Caderno de Pesquisa, 48(168), 550-571. doi: 10.1590/198053145084

Furlani, J. (2007). Sexos, sexualidades e gêneros: monstruosidades no currículo da Educação Sexual. Educação em Revista, 46(1), 269-285. doi: 10.1590/S0102-46982007000200011

García-Cabeza, B., & Sánchez-Bello, A. (2013). Sex education representations in Spanish combined biology and geology textbooks. International Journal of Science Education, 35(10), 1725-1755. doi: 10.1080/09500693.2013.795669

Jacobs, C. D., & Wolf, E.M. (1995), School Sexuality Education and Adolescent Risk Taking Behavior. Journal of School Health, 65(1), 91-95. doi: 10.1111/j.1746-1561.1995.tb03355.x

Jones, T. M., & Hillier, L. (2012) Sexuality education school policy for Australian GLBTIQ students, Sex Education, 12(4), 437-454. doi: 10.1080/14681811.2012.677211

Kirby D. (1999). Sexuality and sex education at home and school. Adolescent Medicine, 10(2), 195-209.

Leiblum, S. R. (2001). An established medical school human sexuality curriculum: Description and evaluation, Sexual and Relationship Therapy, 16(1), 59-70. doi: 10.1080/14681990123463

Lopes, A. C., & Macedo, E. (Eds.). (2014). Teorias de currículo. Cortez.

Menezes, F. M., Monsores, L. H., & Dornelles, P. O. (2017). Educação infantil e gêneros nas narrativas da BNCC. Revista acadêmica de Educação do Instituto Vera Cruz, 7(2), 285-297. doi: 10.14212/veras.vol7.n2.ano2017.art314

Mhlolo, M. K., & Venkat, H. (2009). Curriculum Coherence: An analysis of the National Curriculum Statement for Mathematics (NCSM) and the exemplar papers at Further Education and Training (FET) level in South Africa. African Journal of Research in Mathematics, Science and Technology Education, 13(1), 33-49. doi: 10.1080/10288457.2009.10740649

Ministério da Saúde. (2014). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico Aids/DST. Retrieved from http://www.aids.gov.br/pt-br/node/73

Neira, M. G., Alviano Júnior, W., & Almeida, D. F. (2016). A primeira e segunda versões da BNCC: construção, intenções e condicionantes. EccoS Revista Científica, 41(1), 31-44. doi: 10.5585/eccos.n41.6807

Nunes, C. A. (2011). Política, sexualidade e educação. Filosofia e Educação, 3(2), 4-17. doi: 10.20396/rfe.v3i2.8635447

Opertti, R., Kang, H., & Magni, G. (2018). Comparative Analysis of the National Curriculum Frameworks of Five Countries: Brazil, Cambodia, Finland, Kenya and Peru. Geneva: UNESCO - International Bureau of Education. Retrieved from https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000263831

Orso, P. J. (2017). A educação em tempos de golpe, ou então, como avançar andando para trás. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 9(1), 50-71. doi: 10.9771/gmed.v9i1.21735

Pereira, Z., & Monteiro, S. (2015). Gênero e sexualidade no ensino de ciências no Brasil: análise da produção científica recente. Revista Contexto & Educação, 30(95), 117-146. doi: 10.21527/2179-1309.2015.95.117-146

Reis, T., & Eggert, E. (2017). Ideologia de gênero: uma falácia construída sobre os planos de educação brasileiros. Educação & Sociedade, 38(138), 9-26. doi: 10.1590/es0101-73302017165522

Ribeiro, P. R. M. (2009). A institucionalização dos saberes acerca da sexualidade humana e da educação sexual no Brasil. In M. N. D. Figueiró (Ed.), Educação Sexual: múltiplos temas, compromissos comuns (pp. 129-140). Universidade Estadual de Londrina.

Ryan, G. (2000). Childhood sexuality: a decade of study. Part I- research and curriculum development. Child Abuse & Neglect, 24(1), 33-48. doi: 10.1016/S0145-2134(99)00118-0

Sacristán, J. G. (2000). O currículo: uma reflexão sobre a prática. Artmed.

Santos, R. O., Radvanskei, S. F., Bachmann, V. S. (2018). Desenho na educação infantil: a importância e sua contribuição para o desenvolvimento cognitivo e para a alfabetização. Cadernos Cajuína, 3(3), 147-161. Retrieved from https://cadernoscajuina.pro.br/revistas/index.php/cadcajuina/article/view/207

Santos, W. B., Cardoso, R., Almeida, J. S. M., & Moreira, F. A. (2011). Educação sexual como parte curricular da disciplina de Biologia e auxilio a adolescentes: dificuldades e desafios. Revista Investigações em Ensino de Ciências, 6(2), 07-18. Retrieved from http://www.if.ufrgs.br/eenci/artigos/Artigo_ID143/v6_n2_a2011.pdf

Saviani, D. (2012). Escola e Democracia. Autores Associados.

Trudell, B., & Whatley, M. (1991). Sex Respect: A Problematic Public School Sexuality Curriculum, Journal of Sex Education and Therapy, 17(2), 125-140. doi: 10.1080/01614576.1991.11074014

Young, M. (2013). Superando a crise na teoria do currículo: uma abordagem baseada no conhecimento. Cadernos Cenpec, 3(2), 225-250. doi: 10.18676/cadernoscenpec.v3i2.238